Saiba como escolher a fechadura ideal

Atenção ao nível de segurança, resistência e frequência de uso da peça garante uma compra acertada e aumenta a resistência do sistema

 

O conjunto porta e fechadura é um dos principais sistemas que garantem a segurança de uma residência. Escolher o modelo ideal para a necessidade de cada imóvel, no entanto, pode se tornar uma tarefa difícil diante da diversidade de produtos disponíveis no mercado.

Para garantir segurança e durabilidade à fechadura, os especialistas afirmam que os itens a serem analisados vão muito além do design da peça, aspecto mais valorizado pelo consumidor. “Deve-se verificar o nível de segurança e o grau de resistência à corrosão”, ensina Felipe Oliveira, coordenador de produtos da Assa Abloy Brasil, grupo fabricante de fechaduras de diversas marcas.

O grau de segurança é determinado pela NBR 14.913/2011 e refere-se ao nível de resistência contra arrombamentos, variando em cinco graus, do mínimo ao máximo. Já a resistência à corrosão é o indicador que garante a durabilidade da peça em diferentes ambientes (confira tabela ao lado).

 

A frequência de uso é outro item que deve entrar no check-list para a escolha do modelo. Sebastião Almir Nunes, gerente de vendas da Rei das Fechaduras, explica que portas que recebem mais de 30 ciclos de abertura por dia devem utilizar fechaduras para alto tráfego. Abaixo disso, as máquinas de médio tráfego cumprem bem a função. “As fechaduras de tráfego leve são indicadas para portas que são abertas esporadicamente, como as de despensa”, sugere. Todas estas informações vêm descritas na embalagem.

No caso de compra para reposição, ainda é preciso levar em conta o tamanho da máquina utilizada na porta, o que facilita sua substituição, como explica Maria Eloina Wendrechowski, sócia-proprietária da loja Forma & Função. As fechaduras mais comuns medem 40 mm (modelos populares) ou 55 mm (primeira linha).

Segurança

Além da indicação máxima de segurança, a quantidade de pinos do cilindro – que indicam o número de segredos da peça – é outro item pode potencializar a performance da fechadura.

Os modelos Gorge, utilizados em portas internas, por exemplo, costumam ter cinco combinações de segredos, o que faz com que possam ser abertas com facilidade. “Este fato, aliado ao ‘buraco’ [que permite às pessoas espiarem pela fechadura], faz com que mais de 50% dos clientes instalem fechaduras externas [Yale] em portas de ambientes internos”, conta Nunes.

Outras opções são as fechaduras que contemplam mais pontos de travamento simultâneo e as digitais. “Em linhas gerais, há dois tipos de fechaduras digitais: a de sobrepor, que atua como auxiliar ao modelo mecânico, e a de embutir, que tem maçaneta e substitui as comuns. Os modelos podem ser integrados ou não com sistemas de alarme ou de automação residencial”, acrescenta Higor Omena, coordenador de produtos eletromecânicos da Assa Abloy Brasil.

Nunes lembra que a escolha da fechadura contribuiu, sim, para potencializar em maior ou menor grau a segurança do sistema, mas que não existem equipamentos complemente invioláveis. Isso porque dificilmente os modelos resistiriam a pancadas, como as feitas com pé de cabra, por exemplo.

Manutenção

Em geral, as fechaduras não demandam grandes manutenções. Quando necessária, a lubrificação do cilindro pode ser feita com grafite em pó, nos modelos Yale. Fechaduras multipontos, por sua vez, podem ser lubrificadas com micro-óleo, ou grafite em pó.

 


EXTERNA
R$ 35 (linha popular) e R$ 180 (primeira linha) Fechadura mais comum para portas externas, possui chave fina com dentes. Os modelos populares são fabricados em zamac e tem 40 mm de distância entre a lâmina lateral e o centro da máquina, onde é instalada a maçaneta. Os produtos de primeira linha têm 55 mm de distância e são feitos de latão ou aço inox.

INTERNA
R$ 30 (linha popular) e R$ 180 (primeira linha) É a tradicional fechadura “com buraco”. Utilizada em portas internas, sua chave é mais grossa e possui menos combinações de segredo, o que reduz seu nível de segurança. Podem ser fabricadas em zamac, latão ou aço inox.

ROLETE
R$100,00 São fechaduras utilizadas em portas pivotantes, que têm pontos de fixação em cima e embaixo da peça e usam puxadores no lugar das maçanetas. Menos seguras, elas permitem que a porta fique fechada sem, necessariamente, estar trancada.

BICO DE PAPAGAIO
A partir de R$ 45,00 São as fechaduras utilizadas em portas de correr. Quando fechada, sua lingueta forma um gancho que encaixa na outra folha, trancando a porta.

TETRA CHAVE AUXILIAR
R$50 É uma fechadura auxiliar instalada, geralmente, acima da principal. Produzida em aço inox, é acionada por chaves com quatro fileiras de dentes, daí seu nome.

MULTI-PONTO
R$ 90,00 (auxiliar) / R$ 1,4 mil (fechadura completa) Produzidas em latão, aço inox ou alpaca, têm chaves com pontos na lâmina, ao invés de dentes. Consideradas uma evolução do modelo tetra, oferecem mais segurança, além de serem mais práticas de carregar. Estão disponíveis em modelos auxiliares ou com sistemas completos.
 

ELETRÔNICA COM SENHA

R$ 1,1 mil (senha numérica), R$ 2,5 mil (senha numérica + biométrica), R$ 3,4 mil (reconhecimento facial) Tendência do mercado, são fechaduras eletrônicas acionadas por diferentes sistemas de controle: senha numérica, biométrica (ou uma combinação destas duas) ou reconhecimento facial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *